As 20 melhores músicas de todos os tempos (pra mim)

Por Juliana Laet

Era sexta-feira. Aquele ônibus de quase todos os dias, lotado. Pessoas passando por mim e pisando no meu pé o tempo todo. O cara do meu lado, além de ficar esbarrando com a mala em mim toda hora, expelia um hálito horrível mesmo de boca fechada. Foi quando entrei num êxtase, começara a tocar “Sprawl II (Mountains Beyond Mountains)” do Arcade Fire. Essa música, desde que a conheci, sempre teve o poder de me levar para uma outra esfera.amy

E foi aí que comecei a pensar em várias outras músicas que tem essa incrível habilidade. Deu vontade de listar todas elas e fazer uma playlist da minha vida.

Fui lembrando de músicas e bandas da minha adolescência e que hoje nem fazem tanto sentido assim. Sei quase todas as músicas do “The Cranberries” e Legião Urbana de cor e hoje nem ouço mais. U2, The Corrs tampouco, acho que escutei demais.

Foi realmente difícil chegar nessa lista aí de baixo. Tive que sacrificar muita música boa. Dói o coração. E acho que essa playlist é a do momento. Provavelmente aos 16 eu teria umas 3 músicas dos Cranberries nela! Talvez daqui 5 anos ela não mantenha nem metade do que tem hoje.

A ordem da lista? Ordem de línguas. Português – Inglês – Francês. Não está em ordem de preferidas, seria um pecado muito grande ter de escolher entre Tom Zé e Novos Baianos.

 Aqui está o link para minha mixtape e abaixo o por que dessas serem as minhas músicas.

1)  Tom Zé – Só (solidão)
Tom Zé é inigualável. “Na vida quem perde o telhado em troca recebe as estrelas”. Tem como ser mais elegantemente melancólico?

2) Chico Buarque – Atrás da porta
Impressionante como Chico é mulher às vezes.

rita lee 3) Belchior – Como nossos pais
Essa é clássica. Sei que vou olhar pra trás um dia e pensar: tá tudo a mesma merda. E na voz de Elis é ainda mais arrebatadora

4) Novos Baianos – Brasil Pandeiro
O samba já diz tudo: “Brasil, esquentai vossos pandeiros, iluminai os terreiros que nós queremos sambar.”

5) Clara Nunes – Tristeza e pé no chão
Como diria Vinícius de Moraes: “para fazer um samba com beleza é preciso um bocado de tristeza.” Tá aí, o samba mais triste do momento mais alegre do ano a que xs brasileirxs estão acostumadxs.

6) João Nogueira – Espelho
Essa música é tão viciante. Uma vez que você começa a ouvir, tem dificuldade de parar.

7) Caetano Veloso – Cajuínatom zé
Essa música conquista mesmo pelo contexto em que foi escrita. Não vou contar a história porque é longa. Mas quando minha irmã me contou, deu vontade de chorar. E pela questão que todo mundo já se fez: “existirmos, a que será que se destina?”

8) Rita Lee – Pagu (coloquei com a Maria Rita cantando porque tá difícil achar uma versão que preste SEM a Zélia Duncan)
Essa música é feminista e ponto.

9) Paulinho da Viola – Dança da Solidão
A sofisticação das letras do Paulinho da Viola me arrepiam. Essa, junto com Tom Zé, é das melhores odes à solidão que existem. Coloquei na voz de Marisa Monte e Gilberto Gil porque esta é a versão mais bonita que conheço dessa música.

10) Echo and the Bunnymen – Bring on the dancing horses
Já imaginou cavalos sem cabeças dançando? Então…

morrissey

11) Duran Duran – Come undone
“Come undone” tem um contexto histórico da minha adolescência. Quando descobri essa música não podia parar de ouvir. E não enjoei dela nunca mais.

12) Arcade Fire – Sprawl II (Mountains Beyond Mountains)
Eu me identifico com essa música “metropolitaneamente”. Quer dizer, ela fala da cidade, a aceitação e rejeição na metrópole. É uma marcha desesperada, uma vontade de ficar no escuro, parar de ver tanta coisa que não para de acontecer.

13) Amy Winehouse – Tears dry on their own
Amy já é essência. E “Tears dry on their own” é foda!

14) Bob Dylan – Like a rolling stone
Escolher qual a melhor música do Bob Dylan foi um desafio e não consegui. Mas tive que escolher uma.

15) Madonna – Like a prayer
A diva tinha que estar na lista. E essa é a que eu mais gosto.

16) Portishead – Glory box
Portishead é meio psicodélico, melancólico e sexy. Um combinação incrível. Fiquei em dúvida entre pôr essa e “Roads”, mas deixei Glory Box porque é uma delícia!

17) Tears For Fears – Everybody wants to rule the worlddylan
Acho a letra dessa música incrível. A primeira frase da música já faz uma constatação implacável: “Welcome to your life, there’s no turning back”. Há modo de sair, mas não de voltar atrás.

18) The Smiths – There is a light that never goes out
Smiths foi a banda mais difícil de escolher uma música porque gosto muito deles. Acho que peguei essa por causa das coisas que ela me lembra. E porque tem uma luz que nunca se apaga. Morrissey sempre pessimista.

19) Camille – Ta douleur
Fiquei apaixonada por Camille quando a escutei e a vi. Ela é bem doida e essa música é uma doação completa a alguém, a promessa de salvar esse alguém destruindo as entranhas da sua dor.

20) Jacques Brel – Ne me quitte pas
Não dá pra sofrer mais que Jacques Brel. Ele foi o homem que mais sofreu nesse mundo, isso é um fato.

Anúncios

Comente!!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s